DÚVIDAS E ORIENTAÇÕES

setor de registro

Registro Pessoa Fisica

O CRA-MS é uma Autarquia Federal criada pela Lei nº 4.769/65 e regulamentada pelo Decreto nº 61.934/67, logo, o registro é obrigatório para os que exercem atividades inerentes ao nosso campo profissional, e não opcional. Por sua natureza jurídica, de autarquia federal, o Conselho não pode prestar benefícios diretos aos Administradores, apenas fiscalizar a profissão, utilizando todos os recursos possíveis para coibir o seu exercício de forma ilegal, o que beneficia a todos. Embora não possamos prestar diretamente benefícios, buscamos fazer isso de uma forma indireta, com a celebração de convênios e parcerias com instituições de ensino e estabelecimentos comerciais.

Porque a profissão de administrador foi criada e regulamentada por lei (lei nº 4.769/65 e regulamento aprovado pelo decreto nº 61.934/67). Sendo assim, só pode exercê-la o profissional que esteja habilitado com registro no Conselho Regional de Administração, na forma da legislação citada. Do contrário, o profissional exercerá ilegalmente a profissão e, portanto, estará sujeito a penalidades, tais como multa e perda de cargo

Sim. Enquanto houver o registro, mesmo que com a carteira vencida, as obrigações para com o CRA-MS continuam. O profissional deve estar em dia com suas obrigações, inclusive com o registro devidamente regularizado, para exercer seus direitos.

Não. O não pagamento das anuidades devidas não implica no cancelamento do registro ou exclusão automática do cadastro. O registro somente é cancelado mediante solicitação do profissional, desde que se enquadre nos requisitos necessários.
 
Portanto, o não pagamento das anuidades acarreta em acúmulo das mesmas, que vão sofrendo correção mensal e, de acordo com a legislação vigente, são inscritas na dívida ativa.

O profissional que não está exercendo a profissão e quer interromper a cobrança de sua anuidade precisa solicitar a licença, ou o cancelamento, de sua inscrição. O fato de o profissional simplesmente deixar de efetuar o pagamento da anuidade não interrompe a emissão de nova anuidade nem seu registro no CRA-MS

A carreira de Administração apresenta uma peculiaridade em relação às demais profissões: é dinâmica e constantemente agrega novos campos de atuação ao seu escopo, o que dá maior flexibilidade ao currículo.
 
Além de atuar em Administração Financeira, Administração de Material, Administração Mercadológica/Marketing, Administração da Produção, Administração e Seleção de Pessoal/Recursos Humanos, Orçamento, Organização e Métodos e Programas de Trabalho e outros campos conexos, os administradores vêm exercendo suas funções nos seguintes campos: Administração de Empresa Familiar, Administração Cultural, Administração Esportiva, Administração em Saúde, Comércio Exterior e Logística, Cooperativismo, Cultura Organizacional, Cultura Digital, Mediação e Arbitragem, Perícia Judicial, Recuperação de Empresas e tantas outras que vêm sendo abraçadas pelos profissionais com o crescimento do mercado de trabalho.

Registro Pessoa Jurídica

Todas as empresas que prestarem serviços nas áreas de atuação do administrador, nos termos do Capítulo IV, art. 12 do regulamento da Lei nº 4769, de 9 de setembro de 1965.

Sim, desde que seja profissional devidamente registrado junto ao CRA. Somente o profissional indicado em contrato social como Administrador de uma sociedade, quando alheio ao seu quadro societário, deverá ser, de acordo com a legislação vigente necessariamente um Administrador, profissional formado em curso superior de bacharelado em administração com o respectivo registro no CRA da jurisdição onde atua.

Como as anuidades são consideradas tributos, o não pagamento ocasionará a inscrição do débito em dívida ativa administrativa e, posteriormente, a execução judicial.

Toda empresa que explora atividades inerentes ao campo profissional da Administração está obrigada ao registro PJ, conforme a seguinte legislação:
 
De acordo com a Lei 4.769/65:
 
Art. 15 – Serão obrigatoriamente registrados nos CRAs as empresas, entidades e escritórios técnicos que explorem, sob qualquer forma, atividades de Administrador, enunciadas nos termos deste Lei.
 
O Decreto 61.934/67 prevê que:
 
Art. 12 As sociedades de prestação de serviços profissionais mencionadas neste Regulamento só poderão se constituir ou funcionar sob a responsabilidade de Administradores, devidamente registrados e no pleno gozo de seus direitos sociais.
 
§ 1º O Administrador, ou os Administradores, que fizerem parte das sociedades mencionadas neste artigo, responderão, individualmente, perante os Conselhos, pelos atos praticados pelas Sociedades em desacordo com o Código de Deontologia Administrativa.
 
§ 2º As Sociedades a que alude este artigo são obrigadas a promover o seu registro prévio no Conselho Regional da área de sua atuação, e nos de tantas em quantas atuarem, ficando obrigadas a comunicar-lhes quaisquer alterações ou ocorrências posteriores nos seus atos constitutivos.
 
Dispõe a Lei N° 6.839/80:
 
Art. 1° – O registro de empresas e a anotação dos profissionais legalmente habilitados, delas encarregados, serão obrigatórios nas entidades competentes para a fiscalização do exercício das diversas profissões, em razão da atividade básica ou em relação àquela pela qual prestem serviços a terceiros.
 
Assim, devem possuir registro no CRA-SC, empresas que atuam nas áreas abaixo, com a respectiva apresentação de, pelo menos, um administrador responsável técnico (a):
 
Administração Financeira:
  • Administradoras de Cartão de Crédito;
  • Administradoras de Consórcios;
  • Factorings;
  • Holdings;
  • Serviços de Assessoria e Consultoria Financeira.
Administração e Seleção de Pessoal / Recursos Humanos:
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Estudos e Elaboração de Planos de Cargos, Carreiras e Salários;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração e Seleção de Pessoal / Recursos Humanos;
  • Serviços de Organização e Realização de Concursos Públicos e Processos Seletivos em geral;
  • Serviços de Locação e Fornecimento de Mão de Obra;
  • Serviços de Asseio e Conservação/Fornecimento de Mão de Obra;
  • Serviços de Segurança e Vigilância/Fornecimento de Mão de Obra.
Administração de Material:
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração de Materiais;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Compras e Licitações;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Logística.
Administração Mercadológica / Marketing:
  • Serviços de Administração de Vendas e Distribuição;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Marketing;
  • Serviços de Pesquisa de Mercado.
Administração da Produção:
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração de Produção;
  • Serviços de Preparação de Organização para Certificação ISO;
  • Serviços de Elaboração e Implantação de Programas de Qualidade;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Logística.
Orçamento:
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração Orçamentária;
  • Organização e Métodos, Análises e Programas de Trabalho/Análise de Sistemas;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em O&M (Organização e Métodos, Análises e Programas de Trabalho).
Campos Conexos / Desdobramentos:
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração Empresarial;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração Pública;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Administração de Bens e Valores de terceiros;
  • Serviços de Consultoria e Assessoria em Comércio Exterior;
  • Serviços de Administração de Condomínios;
  • Serviços de Administração Hoteleira;
  • Serviços de Administração de Hospitais e Clínicas.

setor de COBRANÇA

Cobrança e Financeiro

setor de FISCALIZAÇÃO

Fiscalização

A fiscalização é um procedimento rotineiro dos Conselhos Regionais de Administração – CRAs, em atendimento a Lei 4769/65. Destacamos que o objetivo principal do CRA-MS é resguardar nossa sociedade de empresas e profissionais inabilitados, que prestam serviços na área profissional da Administração.

Toda empresa que explora atividades inerentes ao campo profissional da Administração está obrigada ao registro PJ

As atividades dos Conselho Regionais de Administração são regidas pela Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965, e regulamentadas pelo Decreto nº. 61.934, de 22 de dezembro de 1967, bem como por instruções e resoluções baixadas pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A legislação aplicada está disponibilizada em http://www2.cfa.org.br/legislacao.

Sim, desde que seja profissional devidamente registrado junto ao CRA. Somente o profissional indicado em contrato social como Administrador de uma sociedade, quando alheio ao seu quadro societário, deverá ser, de acordo com a legislação vigente necessariamente um Administrador, profissional formado em curso superior de bacharelado em administração com o respectivo registro no CRA da jurisdição onde atua.